Inovação disruptiva significa a transformação de uma tecnologia, produto ou serviço em algo novo, mais simples, conveniente e acessível. Este conceito apareceu pela primeira vez em uma pesquisa sobre a indústria do disco rígido e se popularizou com a publicação, em 1997, de O Dilema do Inovador.

Para Christensen (2006), a inovação disruptiva descreve um processo pelo qual um produto ou serviço começa por aplicações simples, na “parte inferior” de um mercado e, progressivamente, se move para “acima do mercado”, acabando por deslocar ou eliminar concorrentes estabelecidos. Esse modelo de inovação permite que grande parte da população, que até então não tinha acesso, passe a contar com determinados produtos e serviços. A maioria das inovações que surgem, propiciam melhorias no desempenho aos produtos existentes.

Inovações sustentadoras

São aquelas que melhoram o desempenho do produto ou serviço nos atributos mais valorizados pelos clientes. A teoria disruptiva demonstra que as empresas líderes tendem a ter sucesso quando concorrem no campo das inovações sustentáveis. Os novos concorrentes tendem a ter sucesso quando concorrem no campo das inovações disruptivas.

Não é a tecnologia em si que é disruptiva ou de sustentação, mas como ela afeta o modelo de negócios. Nesse sentido, inovações disruptivas são aquelas que provocam uma ruptura no antigo modelo de negócios. Elas normalmente favorecem o aparecimento de novos entrantes.

Outros exemplos mais atuais de inovação disruptiva são:

  • A Wikipedia roubou o lugar de vendedores de enciclopédia;
  • O AirBnb tirou boa parte dos clientes dos hotéis;
  • Os aplicativos EasyTaxi e 99Taxis tomaram o lugar das empresas de rádio-táxi e os aplicativos de transporte compartilhado, como Uber e Cabify, que acabaram com o monopólio dos taxistas;
  • Serviços de streaming, como Netflix e Spotify, que acabaram com as vídeo-locadoras e as lojas de CDs, respectivamente;
  • O Google, que tornou obsoleta qualquer espécie de guia impresso e lista telefônica;
  • O WhatsApp, que tinha o objetivo simples de substituir o SMS e inovou ao realizar chamadas telefônicas via internet, tornando-se um forte concorrente das operadoras de telefonia móvel do mundo inteiro;
  • E o NuBank, que oferece um cartão de crédito controlado totalmente por um aplicativo e livre de tarifas como a anuidade.

50 empresas mais inovadoras do mundo em 2019

Empresas Brasileiras líderes de INOVAÇÃO DISRUPTIVA

Ranking mundial 20 +inovadoras

#1 Meituan Dianping – “Por ser pioneira no ramo dos super aplicativos transacionais”

#2 Grab -“Por alavancar o transporte como plataforma para criar um super aplicativo para o Sudeste Asiático”

#3 NBA – “Por dar um assento a cada fã”

#4 The Walt Disney Company – “Por mergulhar no stream“

#5 Stitch Fix – “Por melhorar o varejo com dados”

#6 Sweetgreen – “Por abraçar suas raízes”

#7 Apeel Sciences – “Por manter a comida fresca”

#8 Square – “Por fornecer uma maneira mais elegante de pagar”

#9 Oatly – “Por chegar ao topo”

#10 Twitch – “Por uma revolução no live-streaming“

#11 Target – “Por incubar muitas marcas em casa”

#12 Shopify – “Por vender de tudo”

#13 AnchorFree – “Por defender de malware e vigilância digital”

#14 Peloton – “Por transformar aulas de ginástica em televisão”

#15 Grupo Alibaba – “Por trazer inteligência artificial ao mercado”

#16 Truepic – “Por nos ajudar a acreditar no que estamos vendo”

#17 Apple – “Por evoluir seus processadores”

#18 Unity Technologies – “Por permitir que os empreendedores construam como os gamers”

#19 Domino’s – “Por se acelerar”

#20 Plaid – “Por empoderar aplicativos de finanças”

Ranking mundial 50 +inovadoras

#21 Universal Music Group – “Por encontrar harmonia em meio à disrupção”

#22 Airtable – “Por encorajar administradores a pensar como desenvolvedores”

#23 Lineage Logistics – “Por fazer bem o transporte de refrigerados”

#24 Kano – “Por fazer mágica com programação”

#25 Winc – “Por fazer os millennials gostarem de vinho”

#26 Zola – “”Por propor uma forma melhor de fazer e-commerce”

#27 Lanza Tech – “Por transformar as emissões de carbono em energia”

#28 JioSaavn – “Por dançar no ritmo da Índia”

#29 Jumio – “Por garantir a segurança da identidade online”

#30 Foundation Medicine – “Por combinar pacientes com câncer com tratamentos inovadores”

#31 Arterys – “Por examinar com inteligência”

#32 Alnylam Pharmaceuticals – “Por lutar contra a doença na fonte”

#33 Beautycounter – “Por se mobilizar contra toxinas”

#34 Sonder – “Por criar uma rede de hotéis que opera como Airbnb”

#35 Indigo Ag – “Por cultivar plantas resilientes”

#36 Nubank – “Por transações com confiança”

#37 GOAT – “Por revender com estilo”

#38 Snøhetta – “Por reconstruir a biblioteca”

#39 African Leadership Company – “Por escalar educação superior para a geração africana em ascensão”

#40 Fanatics – “Por pontuar com os fãs”

#41 Unmade – “Por desenhar uma indústria da moda que desperdiça menos”

#42 Modern Fertility – “Por simplificar testes de fertilidade”

#43 Rocket Lab – “Por trazer o espaço para mais perto da Terra”

#44 A24 – “Por criar uma comunidade alternativa de filmes”

#45 Teachers Pay Teachers – “Por recompensar educadores talentosos”

#46 Ammunition – “Por fazer do ordinário, extraordinário”

#47 Sesame Workshop – “Por educar crianças refugiadas”

#48 Acorns – “Por ajudar usuários a guardar dinheiro”

#49 Mozilla – “Por colocar o Facebook em quarentena”

#50 Punch Bowl Social – “Por criar espaços sociais incríveis”

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *